segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

A RÉGUA, O CHIPS E A ASTROLOGIA (As Lunações de 2.020)


por Jonas Taucci
Visitando uma importante livraria da cidade de São Paulo com um casal de amigos, nos deparamos com os livros de astrologia: Em destaque havia uma obra (renomado autor) onde certo Tema Natal (horóscopo) servia como capa. Disse a esta amiga, que este horóscopo referia-se a uma pessoa nascida em janeiro ou fevereiro: uma aquariana. Lhe falei também que nasceu perto do meio dia, e que este nascimento se deu próximo de uma Lunação (Lua Nova).

Minha amiga elogiou meus conhecimentos de astrologia, afirmando ter eu dito estes dados, sem conhecer a data, local e horário do nascimento da pessoa.

De pronto a interrompi:

- Respeitosamente, alguém com mínimos conhecimentos astrológicos, ao ver a posição do Sol nos signos, sabe qual signo solar esta pessoa pertence. Sabe também que o Sol próximo do meio céu (cúspide da 10ª Casa), determina esta pessoa ter nascido perto do meio dia, e a proximidade entre o Sol e Lua caracteriza uma conjunção entre ambos, resultando assim numa Lua Nova.

Não há nada – absolutamente - de extraordinário nisso, completei.

Recordo que as palestras na Fraternidade Rosacruz, a décadas passadas, eram ilustradas com uma lousa; ao giz era amarrado uma linha, para desenhar um círculo (muitas vezes quase perfeito!). Com uma régua de madeira, construía-se as casas zodiacais.  Após isso, os signos eram desenhados nas cúspides, e nas casas – também com giz – inseriam-se os planetas.

Hoje, em nossos aparelhos celulares, temos APPs (aplicativos) onde podemos calcular, com precisão beirando a perfeição, horóscopos de uma pessoa nascida em qualquer localidade do planeta, em poucos segundos. Existem ainda recursos para editarmos sua interpretação e inúmeros dados, sob a ótica rosacruz deste Tema Natal.

Progressões, trânsitos, lunações, graus críticos, domicílio, exilio, exaltação e queda etc. todas estas informações estão disponíveis - a quem desejar – em nossos aparelhos celulares. 

Mas, para termos uma vaga ideia de quão primitivo ainda estão os referidos e atuais avanços, uma Lição Mensal de Filosofia (Sede Mundial, Oceanside, início dos anos 60), dizia que Cristo (o mais alto iniciado do Período Solar) localizava no Corpo Vital dos enfermos, suas configurações astrológicas conflitantes e emitia o respectivo tom para a cura da lepra, cegueira, fluxo sanguíneo irregular e toda e qualquer enfermidade física, mental, emocional etc. das pessoas.

Esta Lição informava também, que nos trabalhos de cura realizados pelos Auxiliares Invisíveis à noite, o mesmo princípio é adotado.

Em nossos atuais dias, necessitamos de meios físicos – ainda que nos modernos APPS de nossos celulares – para o simples levantamento e interpretação de um horóscopo...

Contudo, não nos (auto) enganemos; de nada vale nosso conhecimento astrológico se não o utilizarmos para os colocar à serviço (gratuito e amoroso) dos desassistidos; JAMAIS seremos um Auxiliar Invisível.

Em não dando atenção aos enfermos fisicamente, é absolutamente impossível mudarmos de postura à noite.

A Terra não necessita de pessoas bem-sucedidas” em termos acadêmicos, profissionais, palestrantes, escritores esotéricos, astrólogos.  etc. mais do que pessoas voltadas a visitarem e auxiliarem enfermos, compartilhar o alimento, doar agasalhos e medicamentos, perdoar, enfim, praticarem o Evangelho do Cristo.

            Abaixo, as lunações (Lua Nova) que ocorrerão em 2.020.

Consulte seu Tema Natal (horóscopo); veja em que Casa ocorrem estas Lunações -  há uma tendência desta Casa Zodiacal ser ativada.

Veja também se esta Lunação faz aspectos (conjunções, sextis, quadraturas, trígonos ou oposições) com algum planeta radical, Meio Céu, Cabeça/Cauda do Dragão, Roda da Fortuna ou Ascendente.

Max Heindel e Augusta Foss de Heindel em Astrodiagnose – Um Guia de Saúde”, capítulo XI, ressalta a importância destas lunações no horóscopo nº 01. Indico sua leitura.

Também no informativo ECOS de Oceanside (novembro/dezembro de 2003), a Secretária Esotérica nos fala a importância de estudarmos – e aplicarmos/assimilarmos – estas Lunações mensais.


Os horários são de Brasília, não havendo mais o Horário Brasileiro de Verão e estas datas não estão relacionadas com as do oficiamento do Ritual de Lua Nova, pelos probacionistas ativos da Fraternidade Rosacruz.


Haverá em 2.020 duas Lunações no signo de Câncer e nenhuma em Capricórnio.

Esta será a coreografia da LUA NOVA para este ano que se inicia...

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

O DIA DE FINADOS, O SIGNO DE ESCORPIÃO, A 8ª CASA ZODIACAL E O PLANETA PLUTÃO

"A Morte de um Velho e Bom Homem" é uma das gravuras de William Blake para o poema 
"O Túmulo" de autoria de Robert Blair , publicado pela primeira vez em 1743

por Jonas Taucci
O início à observação aos mortos, e orarmos por eles, perde-se na noite dos tempos.

Pinturas rupestres de milênios antes de Cristo, retratam que nossos ancestrais prestavam homenagens aos mortos, havendo continuidade nas culturas egípcia, grega e romana etc. anteriores à Cristo.

Por volta do ano 998 DC, Odílio (ou Odilon) de Cluny, um monge francês beneditino, orientou os membros de sua abadia a orar pelos mortos todos os dias 02 de novembro de cada ano, e aproximadamente no ano de 1.250, esta data popularizou-se por todo o mundo cristão (em 1.582, a atualização do calendário juliano em gregoriano ratificou esta data).

Em sua vastíssima obra Estudos de Astrologia, Elmam Bacher nos informa que certas datas comemorativas – ainda que inconscientemente para a maioria da humanidade – nos impelem a profundas verdades cósmicas sobre nossa peregrinação na Terra.

O dia de Finados é uma delas.

 O Sr. Bacher associa esta data à tríade:

***  A 8ª casa zodiacal
***  O planeta Plutão
***  O signo de Escorpião

Sendo muito interessante notar que todo dia 02 de novembro, Dia de Finados, o Sol encontra-se transitando por este signo zodiacal; a determinação desta data -nos primórdios do cristianismo - não foi aleatória, mas obedeceu a padrões astrológicos sem dúvida alguma, haja visto a relação da referida tríade com os seguintes atributos (A Mensagem das Estrelas de Max Heindel e Augusta Foss de Heindel):

- Transformação e transmutação, degeneração e regeneração, morte e renascimento.

Não vamos entender aqui, “morte apenas como o aniquilamento de nosso Corpo Denso, mas sim (e principalmente) o fim de determinados (e nocivos) estilos de vida que temos, transmutados em outros mais elevados.

O Hino Rosacruz de Abertura, nos dá um maravilhoso subsídio sobre isso (O bem sublimará o mal). (1)

Por estes dias, em que o Sol transita pelo signo de Escorpião, façamos uma reflexão sobre a 8ª casa zodiacal de nosso horoscopo. Meditemos sobre os possíveis planetas que lá encontram-se e seus aspectos, também sobre o signo que ocupa sua cúspide, e finalmente onde Plutão localiza-se em nosso Tema Natal (signo e casa), com seus aspectos.

Iniciemos – assim - a cristificação de nossos pensamentos, palavras e ações.

A astrologia, sem a sua praticidade, resulta numa enorme perda de tempo.

(1) Nota da Edição: "O bem sublimará o mal" é o último verso do Hino Rosacruz de Abertura. Veja e ouça o Hino completo aqui

domingo, 9 de junho de 2019

A CASA III E O TERCEIRO MANDAMENTO

Imagem da revista Rays from the Rose Cross,out. 1988 editada por Rosacruz e Devoção
Não pronunciarás o nome do teu Deus em vão”.

Neste fabuloso mandamento encontramos a oportuna advertência sobre o correto e sagrado emprego da faculdade da linguagem. A terceira casa do horóscopo (assim como o signo correspondente Gêmeos), determinam nossas habilidades no âmbito da aprendizagem e da comunicação. É um setor fortemente influenciado pelo planeta Mercúrio (Hermes, na Grécia).

Na Mitologia encontramos narrativas curiosas sobre essa sagaz e buliçosa divindade: diz-se que manejava a retórica com incrível malabarismo, declinando, em inúmeros episódios, na falsidade, na demagogia, na dissimulação e até no furto. Verifica-se, portanto, uma tendência quase irresistível à profanação do Verbo Criador. Donde a necessidade de permanecermos atentos à ética e à reverência pelo que é celestial. Logo, devemos exercitar as seguintes proposições:

1.   O discernimento no uso da linguagem

2.   Evitar o desperdício de energia com tolices e frivolidades

3.   Alimentar o intelecto com as Sagradas Escrituras, pois estas estabilizam e orientam nossas funções mentais; harmonizam as vibrações planetárias da Lua, Mercúrio e Netuno.

4.   Lembrar que a Palavra é Santa, sua vibração vem carregada de vigor e poder. Está intimamente associada à Rosa Branca do símbolo Rosacruz (a força criadora direcionada pela laringe).

5.   Refletir sobre mitos, símbolos, parábolas e alegorias, pois estes falam diretamente à consciência; estabelecem elos arqueológicos com as verdades mais intimas da alma humana (vale lembrar o valor da astrologia como ciência capaz de reunir arte, ciência e religião).

6.   A matemática e a música como linguagem espirituais são reveladoras das chaves do universo e da harmonia entre as criaturas. Cultivemo-las.

7.   Manter a substância mental em receptiva plasticidade, em estado fluídico de adaptabilidade que realça a predisposição para aprender continuamente, evitando o endurecimento de conceitos e juízos.

“A iniquidade não reside naquilo que entra pela boca do homem, mas naquilo que dela sai”.

“Bem aventurados os humildes”.

Publicado no ECOS, março de 2004 da Fraternidade Rosacruz 
Sede Central do Brasil

domingo, 10 de março de 2019

ASTROLOGIA E PODER

extraído de PODER ESPIRITUAL VERSUS PODER TEMPORAL por Eduardo Aroso. 
Baixe aqui o PDF  da obra completa

Parece ser interessante olharmos também o assunto na vertente astrológica. A irradiação do poder de um centro para a periferia, de um ser para benefício de outros (pois exercer o poder é sempre a oportunidade para expansão de consciência de quem o exerce) está nos signos opostos (melhor será dizer complementares) Leão e Aquário. O primeiro, atribuído tradicionalmente à realeza, significa o poder concentrado, daí o egoísmo ou o despotismo que pode provocar quando se responde negativa e maioritariamente à natureza leonina. O signo complementar, Aquário, significa a partilha do poder com outros e para outros, característico das democracias, um repto ao altruísmo de Urano e à seriedade de Saturno regentes deste signo. 

Mas a situação uraniana e aquariana de poder pode ser difusa, excêntrica e mesmo caótica (Urano seu regente, no pior), perdida a consciência central solar, daí Aquário ser regido também por Saturno, o estruturador com realismo. Quando o lado pior de Aquário surge, requer-se uma âncora e voltamos a Leão, à consciência de que há um centro, seja apenas (e já bastante) o empenho do governante para com o povo, seja por aquele que governa já com a consciência espiritual ancorada num centro mais amplo, solar, ou divino. Pode ser um mestre, um avatar. Esta oscilação do sentido de poder verificou-se com nitidez há pouco mais de dois séculos quando se passou bruscamente do «L’ État c’est moi» (Luis XIV) a «Liberté, Égalité, Fraternité», ou seja, simbolicamente, de Leão para Aquário, ou melhor, do lado negativo do Sol (autocrático) para a liberdade de Urano, mas também para as excentricidades e libertinagens, tudo consequências do trânsito humano. Não foi por acaso que a descoberta do planeta Urano (1781) coincidiu, sensivelmente, com a Revolução Francesa (1789).

A oscilação e tentação destas duas tendências opostas de exercer o poder (monarquia/democracia) ilustra o significado do aspecto de oposição em astrologia, neste caso de Leão-Aquário. As forças de um e outro lado devem equilibrar-se, devem “beber” do melhor que há em cada lado. É importante meditarmos no seguinte: na próxima Era de Aquário o signo oposto está necessariamente incluído, pois que para que Aquário expresse o seu melhor, terá que ter também o amor irradiante de Leão.

Aproveitando o ensejo, pode-se ainda perguntar como podemos fazer uma leitura da potencialidade do poder de uma pessoa através do seu horóscopo. O assunto não é fácil, sobretudo quando se trata de indagar o poder espiritual mais do que qualquer outro. Contudo, há linhas de orientação que podem dar algumas pistas sendo necessário ter em conta como se reage às vibrações planetárias, se respondemos mais ou menos positivamente aos signos e planetas. A experiência astrológica tem demonstrado que um stellium (junção de 3 ou mais planetas) elevados, junto ao Meio-do-Céu, e estando também o ascendente num signo fixo (de preferência Leão) pode conferir capacidades de comando e visibilidade. Também Sagitário e o seu regente Júpiter (símbolos portadores de Luz).

Charles E. O. Carter na sua Enciclopédia de Astrologia Psicológica, refere-se - e em resumo - aos poderes criativos como resultantes do raio solar e da 5ª casa e o signo que está na sua cúspide; quanto aos poderes curativos, diz que os indicadores são de natureza variada, mas normalmente as pessoas têm os ascendentes em signos fixo se Mercúrio em aspecto forte com Urano e Neptuno; quanto aos poderes mágicos (querendo dizer os de clarividência, proféticos e outros) dá as ligações de Marte com Neptuno como frequente e a 6ª e 12ª casas que são as do cerimonial, mas aponta como forte alguma ligação que implique Vénus, Marte, Lua e Plutão. Em suma, podemos dizer que aspectos que envolvam planetas transpessoais (Urano, Neptuno e Plutão) em ligações com outros podem ser indicadores de poderes espirituais latentes ou já manifestos.

Que sentido espiritual faz toda esta ideia de exercer o chamado «estado de excepção»? É evidente que esta situação não usual de exercer o poder coloca logo o livre-arbítrio ou o aspecto mais profundo da vontade. Quem tem que decidir assim, estando temporariamente acima, não obedece a regras jurídicas por deficiência destas, mas apenas à consciência de soberano e ao seu livre-arbítrio. Os mestres espirituais, no nosso caso os Irmãos Maiores da Rosacruz, quanto à sua relação com os discípulos, não parece que exerçam essa peculiar forma de poder, pois conhecem e vivem de acordo com as leis divinas que não são as leis humanas. Eles não obrigam ninguém, agindo apenas como conselheiros e amigos na hora certa. Se o fazem como «estado se excepção» será numa dimensão mais elevada, noutros assuntos que não nos dizem respeito, pois conforme disse Max Heindel, também eles cometem erros no seu labor, todavia muito acima do nosso viver, enganos que não podemos compreender. Em oitavas superiores, num plano ainda mais elevado, como é dito no Serviço Devocional, os Anjos do Destino estão acima de todos os erros que a humanidade possa cometer.